banner.png
Carlos Drummond de Andrade.png

1º Trimestre

Alguma poesia - Carlos Drummond de Andrade (Fuvest)

     A partir de uma modesta tiragem de apenas 500 exemplares — sob os auspícios de uma certa edição Pindorama, pura ficção jocosa —, “Alguma Poesia” (1930) iria assinalar a estreia de um autor que, então com 28 anos, revolucionou a poesia de língua portuguesa no século XX. Não é para menos. Com peças como “Poema de Sete Faces”, “Infância”, “No Meio do Caminho”, “O Sobrevivente”, entre tantos outros textos decisivos, o livro demonstra já a enorme maturidade do jovem Drummond, ainda estabelecido em Belo Horizonte.

     Dois anos antes, Drummond havia causado escândalo entre as hostes literária ao publicar, na “Revista de Antropofagia”, o poema “No Meio do Caminho”. Era o início da carreira de escândalo do poema, reconstruída na década de 1960 pelo próprio autor, em um livro, que reuniria os ataques, as paródias e as contendas relacionadas ao poema.

     Mas, para além da polêmica, “Alguma Poesia” já apresenta aquilo de melhor que Carlos Drummond de Andrade iria oferecer ao longo de quase 60 anos de uma das carreiras mais fecundas da literatura moderna: o lirismo, o humor, o tom mediativo e irônico, a observação desencantada dos fatos, o sensualismo, a reflexão aguda e altissonante sobre o amor e a morte.

     * Texto publicado na 1ª edição, 2ª reimpressão, do relançamento de “Alguma Poesia” pela Companhia das Letras.

2º Trimestre

Sobrevivendo no Inferno, do grupo Racionais Mc’s (Unicamp)

     No cenário musical atual, parece incontestável que o rap conquistou definitivamente o seu lugar ao sol. No entanto, o quadro nem sempre foi este. À exceção do funk carioca, que teve seu “boom” durante a década de 1990, os estilos musicais oriundos de áreas periféricas não chegavam às paradas de sucesso brasileiras. Em 1997, este quadro se altera dramaticamente, por meio da ousadia do grupo Racionais MC’S, com o lançamento do álbum “Sobrevivendo ao Inferno”, que atingiu a incrível marca de um milhão e quinhentas mil cópias vendidas, projetando a voz da periferia, e se fazendo ouvir por todas as classes sociais. Em 2018, vinte e um anos depois, as letras das músicas do álbum foram reduzidas a termo e editadas em livro, o qual integrou a lista de leituras obrigatórias para o vestibular da Unicamp 2021.

racionais mc.jpg
escritor-guimaraes-rosa-ok.jpg

3º Trimestre

Campo geral - Guimarães Rosa (Fuvest)

     A infância é o tempo de descobertas. É a fase da vida em que o ser humano recebe e retribui os sentimentos a sua volta com maior vigor e integridade. Com Miguilim, menino que protagoniza esta novela de João Guimarães Rosa, não é diferente. Contudo, a visão de mundo repleta de sensibilidade que marca a personalidade da criança transforma o conjunto de situações que ela experimenta num redemoinho sem precedentes de sensações. Os leitores de Campo Geral, naturalmente, se envolvem e se emocionam ao tomar contato com as impressões e conclusões do menino sobre o mundo que o cerca. Tanto os medos mais profundos de Miguilim quanto seus sonhos mais intensos são concebidos pelo pincel multicor de Guimarães Rosa.

    O convívio familiar, o cultivo das amizades, a dura vida no sertão e a necessidade incontornável de encarar os desafios que a condição humana apresenta são elementos centrais desta narrativa. Neste livro, tem-se o privilégio de captar o âmago da vida no sertão através do olhar de uma criança, uma escolha que revela a grandeza literária de Guimarães Rosa.